Google+ Followers

29 janeiro, 2011

O Caminho Para o Avivamento

E depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, e os vossos jovens terão visões. (Joel 2.28)”

O cumprimento da profecia

            Ao contrário, do que dizem muitos pregadores que ainda esperam o cumprimento da profecia de Joel, Pedro deixou claro que este texto sagrado já se tornou uma realidade (At 2. 16-18). Ao cumprir-se o dia de pentecostes, cumpriu-se a profecia.  

Alguém pode perguntar: o que é avivamento?

            Digo-lhes que os quatro primeiros versículos do capítulo 2 de Atos descrevem o que poderíamos chamar de “manifestação do poder do Espírito”, e não o “avivamento” propriamente dito, como muitos pensam.
            O avivamento experimentado pela igreja de Atos está plenamente descrito somente no verso 41, o momento em que nova vida é gerada pelo Espírito na igreja, é a conversão de almas. Será que poderíamos dizer que a igreja de Atos realmente foi uma igreja avivada se milhares de pessoas não houvessem se convertido ao Senhor Jesus? Haveria acontecido o avivamento se os discípulos ficassem isolados no templo, nadando no “Espírito”? O avivamento só pode ser dito pleno quando os pecadores se arrependem e entregam suas vidas a Cristo. 
           
Três Passos para o avivamento:

1-    A Busca (At 1. 13,14): Os discípulos se reuniram no cenáculo, e em comunhão e oração buscaram a presença de Deus. Ali eles se consagraram esperando o cumprimento da promessa de Jesus. Não houve ativismo religioso. Eles não saíram vazios pelo mundo a tentar de alguma forma, por si mesmos, promover o avivamento. Houve o reconhecimento de dependência, por isso simplesmente buscaram a Deus em oração e adoração.

2-    O recebimento do Espírito (At 2.2): “Veio do céu um som”, “um vento impetuoso”, veio o poder de Deus. Cumpriu-se a promessa de Cristo. Jesus havia dito que se eles lhe obedecessem esperando em Jerusalém, do alto eles seriam revestidos de poder (Lc 24.49). Sem este poder, não poderia acontecer o avivamento. É o poder do Espírito Santo que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo. Sem a unção de Deus, nossa mensagem se torna vazia, a oratória, inútil, e o esforço, em vão. É indispensável que sejamos cheios do Espírito para que haja o pleno avivamento.
3-    A pregação da Palavra (At 2.14): Após o recebimento do poder, Pedro se levanta e prega o evangelho à multidão. Aqueles curiosos que julgaram por bêbados os discípulos cheios do Espírito, não teriam se convertido apenas olhando o que estava acontecendo no cenáculo. Se Pedro, ou algum outro apóstolo não houvessem pregado a palavra, as quase 3000 almas não seriam salvas. Sem salvação de almas, não podemos dizer que o verdadeiro avivamento aconteceu, sem a pregação do evangelho, não pode haver salvação de almas, portanto, a pregação é indispensável para que haja o avivamento ao qual tanto desejamos.

Conclusão

            Deus tem um propósito em tudo o que faz. Quando o Senhor derramou poder sobre os discípulos, Seu propósito era capacitá-los a pregar o evangelho e salvar almas. Muitas igrejas clamam por poder, mas não clamam por almas. Certamente estas igrejas não receberão nem poder e nem almas, ou seja, não viverão o avivamento. Façamos nossas as palavras do apóstolo Paulo: “Ai de mim se não anunciar o evangelho” (I Cor 9.16). “Aviva a Tua obra ó Senhor! (Hb 3.2a)”.


Éder Billy Carvalho... A todos, Graça e Paz!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário