Google+ Followers

29 janeiro, 2011

O Caminho Para o Avivamento

E depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, e os vossos jovens terão visões. (Joel 2.28)”

O cumprimento da profecia

            Ao contrário, do que dizem muitos pregadores que ainda esperam o cumprimento da profecia de Joel, Pedro deixou claro que este texto sagrado já se tornou uma realidade (At 2. 16-18). Ao cumprir-se o dia de pentecostes, cumpriu-se a profecia.  

Alguém pode perguntar: o que é avivamento?

            Digo-lhes que os quatro primeiros versículos do capítulo 2 de Atos descrevem o que poderíamos chamar de “manifestação do poder do Espírito”, e não o “avivamento” propriamente dito, como muitos pensam.
            O avivamento experimentado pela igreja de Atos está plenamente descrito somente no verso 41, o momento em que nova vida é gerada pelo Espírito na igreja, é a conversão de almas. Será que poderíamos dizer que a igreja de Atos realmente foi uma igreja avivada se milhares de pessoas não houvessem se convertido ao Senhor Jesus? Haveria acontecido o avivamento se os discípulos ficassem isolados no templo, nadando no “Espírito”? O avivamento só pode ser dito pleno quando os pecadores se arrependem e entregam suas vidas a Cristo. 
           
Três Passos para o avivamento:

1-    A Busca (At 1. 13,14): Os discípulos se reuniram no cenáculo, e em comunhão e oração buscaram a presença de Deus. Ali eles se consagraram esperando o cumprimento da promessa de Jesus. Não houve ativismo religioso. Eles não saíram vazios pelo mundo a tentar de alguma forma, por si mesmos, promover o avivamento. Houve o reconhecimento de dependência, por isso simplesmente buscaram a Deus em oração e adoração.

2-    O recebimento do Espírito (At 2.2): “Veio do céu um som”, “um vento impetuoso”, veio o poder de Deus. Cumpriu-se a promessa de Cristo. Jesus havia dito que se eles lhe obedecessem esperando em Jerusalém, do alto eles seriam revestidos de poder (Lc 24.49). Sem este poder, não poderia acontecer o avivamento. É o poder do Espírito Santo que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo. Sem a unção de Deus, nossa mensagem se torna vazia, a oratória, inútil, e o esforço, em vão. É indispensável que sejamos cheios do Espírito para que haja o pleno avivamento.
3-    A pregação da Palavra (At 2.14): Após o recebimento do poder, Pedro se levanta e prega o evangelho à multidão. Aqueles curiosos que julgaram por bêbados os discípulos cheios do Espírito, não teriam se convertido apenas olhando o que estava acontecendo no cenáculo. Se Pedro, ou algum outro apóstolo não houvessem pregado a palavra, as quase 3000 almas não seriam salvas. Sem salvação de almas, não podemos dizer que o verdadeiro avivamento aconteceu, sem a pregação do evangelho, não pode haver salvação de almas, portanto, a pregação é indispensável para que haja o avivamento ao qual tanto desejamos.

Conclusão

            Deus tem um propósito em tudo o que faz. Quando o Senhor derramou poder sobre os discípulos, Seu propósito era capacitá-los a pregar o evangelho e salvar almas. Muitas igrejas clamam por poder, mas não clamam por almas. Certamente estas igrejas não receberão nem poder e nem almas, ou seja, não viverão o avivamento. Façamos nossas as palavras do apóstolo Paulo: “Ai de mim se não anunciar o evangelho” (I Cor 9.16). “Aviva a Tua obra ó Senhor! (Hb 3.2a)”.


Éder Billy Carvalho... A todos, Graça e Paz!!!


26 janeiro, 2011

Jesus Chorou


João 11.35





Jesus tinha emoções, como qualquer um de nós, e não fez questão de escondê-las. Amor, ira, alegria, tristeza... Todos esses sentimentos passaram pelo coração do Mestre, mas nenhum deles conseguiu manchá-lo com pecado. O coração de Cristo era puro, portanto, suas lágrimas também.

No capítulo 11 do evangelho de João, nos impressionamos ao ver que Jesus sabia que seu amigo Lázaro estava doente e que de fato iria morrer, mas também sabia que Lázaro iria ressuscitar após a simples oração que (Jesus) faria diante do túmulo:

_Pai, graças te dou porque me ouviste... Lázaro, vem para fora!

Neste episódio, quando vê as pessoas chorando pela morte de Lázaro, Jesus não se contém e chora também. Como ele conseguiu chorar naquela situação, sabendo que Ele mesmo - a ressurreição e a vida - iria ressuscitar a Lázaro? Minha resposta: 

“A maior expressão do poder de Deus é o amor”.

O poder que Deus tem sobre a natureza e sobre toda a criação é impressionante, mas esse poder nunca é acionado sem motivo algum, é por amor que o Senhor manifesta o Seu poder.

Outros seres espirituais, como os demônios, também têm poderes sobrenaturais, mas eles simplesmente não podem amar. Somente o Senhor, por Si mesmo, é capaz de amar. E mais que isso, o amor é divino em sua essência, pois Deus é amor.

Sabendo que tinha poder para alimentar e curar quantas pessoas quisesse, Jesus teve compaixão da multidão de famintos e enfermos, e por isso manifestou-lhes seu poder (Mt 14.14). Jesus, como profeta, muitas vezes fez o que o profeta Ezequiel fez, sentar-se atônito junto dos exilados e compartilhar momentos de dor (Ez 3.15). Como amigo de Lázaro, Jesus estampou toda a sua humanidade divina e divina humanidade. O menor versículo da Bíblia expressa o amor maior do mundo: "Jesus chorou".

A maior das virtudes que deveríamos ter anda escassa, quase que em extinção, chama-se amor. Se é verdade que "perto está o Senhor daqueles que tem um coração quebrantado (Sl 34.18)", Deus está perto de poucos. Esses poucos são os que decidiram obedecer à palavra bíblica que diz: "que haja em vós o mesmo sentimento que ouve em Cristo Jesus" (Fp 2.5). É bom lembrar que o próprio Jesus disse: “...ameis uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15.12). O amor é uma decisão, é um cultivo, é um exercício, mas acima de tudo ele é sobrenatural e divino. O amor é fruto do Espírito e não do homem. Este foi o maior poder com o qual a igreja de Atos foi revestida ao cumprir-se o dia de Pentecostes, o poder de amar. Se assim não foi, quem pode me explicar a capacidade que Estevão teve de, sendo apedrejado injustamente, perdoar seus assassinos? E quantos outros exemplos poderíamos citar, exemplos de homens dos quais o mundo não era digno? Sim meus amigos, a maior expressão do poder de Deus é o amor.         

Ninguém mais pôde amar assim, ao ponto de se entregar na cruz por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8).

A capacidade que Cristo tem de se compadecer e amar é divinamente sobrenatural, por isso, diante do sofrimento de Seus amados, o Senhor da Vida chorou. 

Quando você estiver sofrendo amargamente, quando estiver chorando sozinho e incompreendido por todos, lembre-se, Jesus chorou. Ou seja, Ele se importa. A bondade e a compaixão do Senhor duram para sempre. Deus é bom, Deus é amor!

Éder Billy Carvalho... A todos, Graça e Paz!!!

O CENTENÁRIO DA ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL E A TRAJETÓRIA DO APÓSTOLO JOÃO: HISTÓRIAS DO PASSADO, RESPOSTAS PARA O FUTURO

Diante deste ano em que comemoramos o centenário da Assembléia de Deus no Brasil, lembrei-me de um fato no mínino interessante: o apóstolo João morreu exatamente no ano 100 d.C.
Impossível não reconhecer que João tem muito a nos dizer nesta data significativa. Sua visão é profunda o suficiente para revelar a verdade sobre nosso passado e presente, e, ainda, profética ao ponto de lançar luz na direção dos nossos próximos 100 anos de história, se Cristo não voltar.

Visões e experiências reveladoras que o apóstolo João teve com Jesus, com a história e com a igreja


Logo em seu primeiro encontro com Jesus, João deixa seu pai e os negócios de sustento da família para trás, e parte para seguir o desconhecido, deixando-nos uma lição de desprendimento e fé. Esta foi a postura dos primeiros convertidos de nossa igreja. Em uma época de verdadeira aversão à fé pentecostal, somente uma experiência profunda com Deus poderia levá-los a uma decisão como esta.




João presenciou os inúmeros milagres no ministério de Jesus, bem como no ministério do colégio apostólico do qual ele mesmo fazia parte. Foram verdadeiras manifestações da graça e poder de Deus que suscitavam a fé de muitos pecadores. Nestes nossos 100 anos de história foram muitos os milagres. Há que se preservar, porém, a simplicidade de nossos primeiros missionários, pois eles não aceitavam a glória pelos milagres. É triste constatar que alguns ministros de hoje fizeram deles (os milagres), vitrines e comerciais de autopromoção. Não foi isso que João viu em Jesus, pois o mestre, por vezes, ordenava aos curados que a ninguém o dissessem (Lc 5.14). Se não tivermos o mesmo foco de Jesus, glorificar somente a Deus através dos milagres, eles ficarão cada vez mais escassos.




O discípulo amado teve também o privilégio de assentar-se nos bancos da escola teológica do Mestre dos mestres por várias vezes. Sermões, parábolas e atitudes didático-pedagógicas de Jesus nortearam o ministério do apóstolo do amor. Tendo testemunhado a importância que Jesus dava para o ministério do ensino, se visse o quanto alguns de nós desprezam tal ministério, talvez diria: “Não provém o vosso erro de não conhecerdes as escrituras?...” (Mc 12.24) Louvado seja Deus pelos verdadeiros mestres que temos hoje, ainda.




Dentre os discípulos, João foi o único a ver, de perto, Jesus na cruz. Ele nos poderia falar sobre a mensagem da cruz como ninguém. Este filho de Zebedeu esteve à mesa com Cristo na última páscoa. Nesta cena somos constrangidos a repensar o nosso amor e a nossa capacidade de conviver em comunhão com Cristo e com Seu corpo. Agora, diante da cruz, ele vê o próprio corpo de Jesus sendo partido como o pão, e o seu sangue sendo derramado como o vinho. Na cruz se encontraram o amor, a graça e a salvação para todos. Diante deste quadro fica-nos fácil compreender que só chegamos até aqui (2011 d.C) por causa dela, a cruz de Cristo. E só poderemos prosseguir se for por ela, o punhal que feriu o crânio da morte, a saber, o calvário.




Nosso apóstolo foi o primeiro a chegar ao sepulcro vazio, e o próprio texto (Jo 20.8) traz-nos um detalhe importante, “... e creu.” Assim como sua esperança renasceu ao testemunhar a ressurreição de Jesus, por certo o apóstolo do amor lançaria um olhar de esperança na direção do futuro. Folhando nossa Harpa Cristã, provavelmente seus olhos repousariam sobre o hino n° 545: “Porque Ele vive, posso crer no amanhã...”. Então, que venham os próximos 100 anos.




O evento do pentecostes inspirou a tônica da missão de nossos desbravadores suíços, a obra do Espírito Santo. O poder do Espírito sobre os que se reuniam no cenáculo, o sermão de Pedro e as primeiras conversões certamente marcaram para sempre o coração de João. Se ele visse o quanto, hoje, somos capazes de separar o poder do Espírito da pregação do evangelho, ficaria abismado. O poder de Deus vem com o propósito de nos levar aos perdidos, e não com o propósito de nos prender no templo, mantendo-nos “espiritualmente” acomodados. João contemplou e fez parte de uma igreja missionária, pois nem mesmo a perseguição os impediu de ganhar almas, pelo contrário, ela os levou ao mundo. Cada crente deve ser um evangelista. Foi com este sentimento que Daniel Berg e Gunnar Vingren pregaram o evangelho neste país, cem anos atrás. Sigamos tais belos exemplos.




João observou os fatos históricos de sua época. A morte de Herodes e a revolta judaica, por exemplo. A glória que Herodes chamou para si levou-o para a sepultura (At 12.23). A visão humana e meramente política que os judeus tinham a respeito do reino de Deus levou-os a se revoltarem contra o império romano, e isso lhes custou a destruição da cidade e do templo de Jerusalém, façanha romana conquistada sob o comando militar de Tito. Certamente João lembrou-se das lágrimas que Jesus derramou quando olhava para Jerusalém e profeticamente contemplava esta tragédia consumada no ano 70 d.C. João viu o quanto uma religião (mesmo instituída por Deus) apegada ao sistema está fadada a perder a visão espiritual e deixar passar a redenção para abraçar a destruição. Esta verdade nos é elucidada quando lemos a lamentação de Cristo, o Messias:



_Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos como a galinha ajunta os de seu próprio ninho debaixo das asas, e vós não o quisestes! Eis que a vossa casa ficará deserta...



Enquanto formos uma assembléia de Deus, estaremos seguros debaixo de Suas asas, mas se um dia nos tornarmos assembléia de homens, a destruição virá.




Como se não bastasse, o discípulo amado teve conhecimento da morte dos 11 apóstolos, e também da morte de Paulo, pois ele, João, foi o último a morrer. Confesso que não consigo escrever tais palavras sem sentir meu coração embargado de emoção. Uma geração vai, mas que geração é esta que vem? Estamos prontos a assumir a responsabilidade e levar a missão adiante? João, certamente faz parte da “tão grande nuvem de testemunhas (Hb 12.01)” que assiste ao desenrolar da história, e qual será o papel que estamos assumindo nela? Dentre as sete igrejas descritas por João, de qual delas fazemos parte? Oro a Deus para que Seu Espírito me guie a toda a verdade, para que ao fim da caminhada eu possa dizer algo como: “pelo que... eu não fui desobediente a visão celestial” (At 26.19), “combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé (II Tm 4.7)”.




Este é o ano de comemorarmos nosso centenário, evidentemente não podemos nem vamos deixar de fazê-lo. Mas, quando, pois, vier o Filho do homem, nos próximos cem anos, se é que teremos tanto tempo assim, por ventura achará fé na terra? Ao certo, eu não sei. Em Patmos o discípulo amado viu o Apocalipse. O que fez da igreja primitiva uma igreja vencedora foi a esperança que tinham de que a volta de Cristo não tardaria. Sinto-me seguro em lhes afirmar que eles não pensavam nos próximos cem anos (era tempo demais para eles), e sim nos próximos instantes. O fim vem, e João o viu, quem tem ouvidos, ouça:




“E agora, filhinhos, permanecei nele, para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos confundidos por ele na sua vinda” (I Jo 2.28).

“Este é o discípulo que testifica dessas coisas e as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro” (João 21.24).Éder Billy Carvalho... A todos, Graça e Paz!!!

WWW.EDERCARVALHO.COM.BR

Um Salto para 2011 (Elienai C. Carvalho)

Sempre que chega o fim do ano me recordo da minha infância. Férias de escola, jogar futebol todos os dias, muita diversão, ah que tempo bom. Tempo? Uma palavra tão vazia e sem sentido, na verdade acredito que essa palavra nem exista no vocabulário infantil e pré-adolescente. A impressão que eu tinha é que a terra nem girava em torno dela e em torno do sol, como a professora do ginásio nos ensinava tão graciosamente na escola pública em que estudávamos, eu e meus irmãos.

Os conselhos de minha mãe sobre a vida, sobre ser alguém. E o melhor dos seus conselhos: Buscar mais a Deus. Se eu pudesse voltar atrás e seguir cada conselho, levar mais a sério as histórias bíblicas que minha mãe contava, as mensagens que meu pai pregava tão eloqüentemente e os cultos caseiros que meu pai organizava.

A razão pela qual estou escrevendo é trazer a memória o sentido de nossa existência na terra, de nossa “passagem” seria o termo mais correto, será que esquecemos aquilo que aprendemos? Ou será que nosso verdadeiro inimigo, o inimigo de nossas almas está vencendo? Será que nossa geração ficará conhecida como uma geração corrupta e capitalista que só pensa em si mesma?

Note que não estou me referindo a incrédulos, mas sim aos “supostos” evangélicos. Nossos templos estão cada vez maiores e mais confortáveis. Estamos vivendo a era da informação, a Internet é uma realidade até no subúrbio. Tem-se a bíblia digital, vários estudos bíblicos via Internet, sites e evangélicos músicas e DVDs, etc.

Ninguém hoje, pelo menos no Brasil (com algumas exceções, é claro), pode dizer que não tem acesso à palavra de Deus. Olhando para este quadro, isto é, se analisando instituições evangélicas, me pergunto e faço essa pergunta a você, caro leitor: Será que estamos investindo tanto assim em nossa verdadeira missão? Porque se é isso que está acontecendo, então estou vivendo em outro mundo.

As mensagens que ouço regularmente falam de prosperidade. Cada vez mais está surgindo ministérios específicos que evangelizam os empresários da cidade, os mendigos e desempregados que procurem outro refúgio.

Diante destes dilemas, chegamos a mais um fim de ano e começamos colocar nossos objetivos na balança para ver o que ficou pendente. O que vamos adquirir no próximo ano, enfim a lista é grande. Já não é mais surpresa minha notar que o reino de Deus fica em último plano, na zona de rebaixamento. Alguns tem a coragem de falar que tudo que adquiriram é para honra e glória do Senhor Jesus Cristo: o carro importado, a cobertura, a casa na praia, tudo é para engrandecer o nome de Jesus.

Não estou dizendo que é pecado adquirir, ou desejar viver mais confortavelmente. O problema é quando tudo isso passa a ser prioridade em nossas vidas e nos esquecemos do principal objetivo de nossa “passagem” por aqui (gosto de usar esse termo, pois lembro que não nascemos para ficar aqui na terra para sempre, não somos algum tipo de “Highlander”).
Até os incrédulos reconhecem que estamos de por aqui apenas de “passagem”, mesmo não entendendo. Como diz um refrão de uma música dos Engenheiros do Hawaii: “Somos todos estrangeiros, passageiros de algum trem...”. Então porque lutar tanto por posses, ou para enriquecer, sendo que nem sabemos se vamos acordar no outro dia.

A volta de Jesus está aí. Se a morte não nos tragar a volta de Jesus é certa (Atos 1.11). Não estou colocando em cheque a salvação, pois ela é de graça (Ef 2.8). Mas uma coisa é certa, nossas obras, tudo que tivermos feito ou não será colocado em balanças fiéis (Romanos 14.10).

Todo fim de ano é a mesma coisa pra mim, olho para um ano que passou e me faço a desconfortável pergunta: “Com o que me apresentarei diante de Deus?”.

Faça uma análise mais profunda da sua história de vida e pergunte a si mesmo: Valeu a pena? Jesus está alegre comigo? Posso me encontrar com ele nos ares com a consciência tranqüila de que fiz todo o possível pelo o reino de Deus? Seja sincero consigo mesmo e reveja todos os seus propósitos para o próximo ano.

Quero levar você a um salto radical para o próximo ano, tenha o propósito específico de estender o reino de Deus onde você estiver, e mantenha-se focado nele.

Pense comigo: O que nós pecadores, poderíamos fazer para arrancar um sorriso dos lábios de Jesus?

Pensando logicamente e pela palavra de Deus, chegamos à conclusão que Jesus ficaria muito alegre se levássemos junto conosco muitas pessoas. Na verdade esse é o bem mais precioso para Deus. Deus nos ama tanto que não quer que ninguém se perca (1 Pe 2.9).

João 3.16 retrata bem o amor que Deus tem por toda a raça humana. Tenho certeza que nada deixaria Jesus mais feliz do que ganharmos outros para o seu reino.

Para o próximo ano seja ousado nas suas metas e coloque em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça (Lc 12.31). Lance todas as suas ansiedades para o alto e viva um cristianismo autêntico, faça valer a pena a sua “passagem” nessa vida que é tão curta. Antes de formular seus objetivos para o próximo ano medite nas palavras de Jesus em Lc 12.22-34.

Muitas pessoas marcaram sua história aqui na terra e até hoje são lembrados com louvor. Desejo para mim e para você caro leitor, que marquemos nossa história nos céus, onde a vida é eterna.

Elienai Cledson Carvalho

(o Elienai é meu irmão e um verdadeiro servo de Deus. Tenho muito orgulho de ser seu irmão. Casado com Daiani, é personal trayner e congrega na AD do Bom Retiro Jlle SC)

http://www.personalelienai.blogspot.com/

Feliz 2011

O que é ser Cheio do Espírito Santo?

De fato, precisamos obedecer ao “enchei-vos do Espírito” como nos ensina a escritura. Mas, pergunto, o que é ser cheio do Espírito?

Vamos imaginar o seguinte diálogo entre um mestre e seu discípulo:
O discípulo pergunta:

_Mestre, no dia em que eu me converti ao Senhor Jesus, o Espírito Santo passou a habitar em mim?

_Sim, meu filho, tenha certeza disso.

_Mas não é verdade que hoje muitos crentes não são cheios do Espírito Santo?

_Exatamente.

_Como isso é possível se esses crentes se converteram e passaram a ser o templo do Espírito Santo? É possível que o Espírito Santo tenha entrado apenas em parte na vida desses crentes? Será que eles só tem uma perna do Espírito de Deus em sim, ou somente um braço, ou qualquer outra parte do Espírito?

_Claro que não, eu lhe afirmo que quando eles se converteram a Cristo, o Espírito passou a habitar inteiramente neles.

_Então porque você diz que nem todos são cheios do Espírito? O que significa ser cheio do Espírito?

_Significa ser vazio de si mesmo.

Ser vazio de si mesmo significa negar a si mesmo, tomar sobre o ombro a cruz de Cristo e segui-lo para onde quer que Ele vá. O homem de quem se pode dizer que é “vazio de si mesmo”, não tem mais vontade própria predominante, mas a vontade do seu soberano Senhor é a prioridade absoluta do seu coração. Este homem continua tendo desejos, sonhos e vontade, mas é capaz de submetê-los ao senhorio de Cristo. Quem está vazio de si mesmo está apto a dizer: “Importa que Ele cresça e eu diminua”, “já estou crucificado com Cristo, e não mais vivo eu, mas Cristo vive em mim”. Ser vazio de si mesmo é ser cheio do Espírito Santo de Deus.

O homem cheio do Espírito é cheio do amor, pois Deus é amor e o fruto do Espírito é o amor. O homem cheio do Espírito reflete o caráter de Cristo, pois o Espírito gera nele as virtudes advindas do Pai, o Senhor de toda a terra. Ser espiritual é ser amável, ser espiritual é ser pacificador, porque os pacificadores serão chamados filhos de Deus.

Que possamos clamar por um despertamento, algo que nos abra os olhos para as verdades simples do evangelho, verdades que libertam e nunca perdem o valor. Sejamos, simplesmente (sem desculpas, complicações ou misticismos religiosos), cheios do Espírito Santo de Deus.

Éder Billy Carvalho

A todos, Graça e Paz!!!

http://www.edercarvalho.com.br/