Google+ Followers

26 janeiro, 2011

Jesus Chorou


João 11.35





Jesus tinha emoções, como qualquer um de nós, e não fez questão de escondê-las. Amor, ira, alegria, tristeza... Todos esses sentimentos passaram pelo coração do Mestre, mas nenhum deles conseguiu manchá-lo com pecado. O coração de Cristo era puro, portanto, suas lágrimas também.

No capítulo 11 do evangelho de João, nos impressionamos ao ver que Jesus sabia que seu amigo Lázaro estava doente e que de fato iria morrer, mas também sabia que Lázaro iria ressuscitar após a simples oração que (Jesus) faria diante do túmulo:

_Pai, graças te dou porque me ouviste... Lázaro, vem para fora!

Neste episódio, quando vê as pessoas chorando pela morte de Lázaro, Jesus não se contém e chora também. Como ele conseguiu chorar naquela situação, sabendo que Ele mesmo - a ressurreição e a vida - iria ressuscitar a Lázaro? Minha resposta: 

“A maior expressão do poder de Deus é o amor”.

O poder que Deus tem sobre a natureza e sobre toda a criação é impressionante, mas esse poder nunca é acionado sem motivo algum, é por amor que o Senhor manifesta o Seu poder.

Outros seres espirituais, como os demônios, também têm poderes sobrenaturais, mas eles simplesmente não podem amar. Somente o Senhor, por Si mesmo, é capaz de amar. E mais que isso, o amor é divino em sua essência, pois Deus é amor.

Sabendo que tinha poder para alimentar e curar quantas pessoas quisesse, Jesus teve compaixão da multidão de famintos e enfermos, e por isso manifestou-lhes seu poder (Mt 14.14). Jesus, como profeta, muitas vezes fez o que o profeta Ezequiel fez, sentar-se atônito junto dos exilados e compartilhar momentos de dor (Ez 3.15). Como amigo de Lázaro, Jesus estampou toda a sua humanidade divina e divina humanidade. O menor versículo da Bíblia expressa o amor maior do mundo: "Jesus chorou".

A maior das virtudes que deveríamos ter anda escassa, quase que em extinção, chama-se amor. Se é verdade que "perto está o Senhor daqueles que tem um coração quebrantado (Sl 34.18)", Deus está perto de poucos. Esses poucos são os que decidiram obedecer à palavra bíblica que diz: "que haja em vós o mesmo sentimento que ouve em Cristo Jesus" (Fp 2.5). É bom lembrar que o próprio Jesus disse: “...ameis uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15.12). O amor é uma decisão, é um cultivo, é um exercício, mas acima de tudo ele é sobrenatural e divino. O amor é fruto do Espírito e não do homem. Este foi o maior poder com o qual a igreja de Atos foi revestida ao cumprir-se o dia de Pentecostes, o poder de amar. Se assim não foi, quem pode me explicar a capacidade que Estevão teve de, sendo apedrejado injustamente, perdoar seus assassinos? E quantos outros exemplos poderíamos citar, exemplos de homens dos quais o mundo não era digno? Sim meus amigos, a maior expressão do poder de Deus é o amor.         

Ninguém mais pôde amar assim, ao ponto de se entregar na cruz por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8).

A capacidade que Cristo tem de se compadecer e amar é divinamente sobrenatural, por isso, diante do sofrimento de Seus amados, o Senhor da Vida chorou. 

Quando você estiver sofrendo amargamente, quando estiver chorando sozinho e incompreendido por todos, lembre-se, Jesus chorou. Ou seja, Ele se importa. A bondade e a compaixão do Senhor duram para sempre. Deus é bom, Deus é amor!

Éder Billy Carvalho... A todos, Graça e Paz!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário